Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Menina Chinaski

a desoras libertinas

a desoras libertinas

Menina Chinaski

24
Mar21

Patrícia Baltazar

69CE2275-51F2-406D-9938-310053948ECE.jpeg

E de repente, ao passar a mão na prateleira da poesia, estava lá a Patrícia Baltazar e, de uma enxurrada, a poesia e o imenso sofrimento dos últimos meses da sua vida, levada por um cancro da mama que metastizou.  Aquelas merdas a que os detratores da eutanásia viram a cara. 
A 23 de Março, dois anos da sua morte, aos 41 anos
Ficam dois poemas, um por cada ano sem ela, e a fotografia de Vitorino Coragem. 
 
 
Prelúdio
Espero vir a conhecer o circuito das nuvens para calçar os passos da chuva e tocar as casas, os Homens. As árvores.
 
Sempre tive pressa de amar em tudo. De amar tudo. Tratar as feridas, lembrar-me de cicatrizes. Não olhar para trás quando o deserto está na frente. Amá-lo também.
 
Hei-de estar numa nave altíssima a ver tudo. Espero.
 
Espero também conhecer o Sol de perto para aquecer o sangue dos que estão tristes.
 
Hei-de soprar as folhas dos Plátanos, ternamente, muito devagar, para que as crianças lhes peguem e sejam felizes nesse instante. E sempre. Enviar boas sinas para as mãos delas.
 
Ver a vida da galáxia imensa que existe depois. Chamar a paz.
 
Espero. Espero a luz chegar. E espero não voltar.
 
A rh — (sanguis languens), Palavras por Dentro, 2016
 
 
XXXV
Deus é um cabrão. Uma miséria. É um cão podre. Bafiento. Urina do céu, um ácido. Deus complica a natureza. Deus é o verdadeiro trafulha. Veste-se com bata de ouro para as crianças morrerem com fome. Deus pôs as minhas mãos em água benta a ferver. Deus tem unhas amarelas e perversas. Tem litros de sémen nas mãos e na batina de tanto se masturbar à conta da indignidade dos homens. Deus não ouve Chopin nem Mahler nem a Amália porque a pele-de-galinha é prazer de mais e chicote. Deus é o vidro que corta os pulsos à humanidade. Deus é a fome. Gosta de se virar de costas para Sodoma. Deus é o gato preto à minha frente esta manhã. Deus é a áscua que engana e queima. Deus é o asco. O nojo. A grandessíssima tristeza. Um vampiro bêbado que chupa o sangue às crianças no pátio da escola. Deus é um falo. Um cunnilingus mal amanhado.
 
Que se foda.
 
FUMAR MATA, Colecção Madrugadas, 2013

10 comentários

Comentar post

“I've been accused of vulgarity. I say that's bullshit.” Mel Brooks

. Projeto #24h de poesia na rua

A 21 de Março de 2021 publicou-se, a cada hora do dia, uma imagem da poesia/atitude poética enquanto apropriação do espaço. De formas eruditas ou populares, definitivas ou efémeras, planeadas ou expontâneas.

Eliza Bennett - The Cutting (& Stitching) Edge